Por Eduardo Luiz, da Redação PTD - 27/04/2017 - 01:03h.
Galiotte e Mattos condenam violência do Peñarol ao final do jogo
Caçada a Felipe Melo, emboscada ao time, à torcida, Fernando Prass e Willian com hematomas e ofensas racistas. A violência promovida pelo Peñarol ao final do jogo de quarta-feira indignou o presidente Maurício Galiotte e o diretor de futebol Alexandre Mattos.

"Esperamos que a Conmebol tome providências. O Palmeiras veio jogar futebol. Jogamos e ganhamos em campo. Se o Palmeiras não traz 20 seguranças, teríamos uma tragédia aqui hoje. Os portões foram fechados" iniciou o presidente.

"O presidente do Peñarol e pessoal da Conmebol vieram falar que os portões foram fechados por questão de segurança. Os jogadores iam morrer lá dentro, virou campo de guerra. Esperamos que a Conmebol seja rigorosa" completou Galiotte, revoltado com a situação.

As palavras do presidente foram endossadas por Mattos: "Tomara que a Conmebol, que tem um presidente que parece diferente, faça alguma coisa. A gente espera que realmente ele seja diferente e puna quem tem de punir. Fica aqui a nossa lamentação e um pedido para a Conmebol tomar uma providência. Isso acaba com o futebol sul-americano".

Para o executivo, o time uruguaio agiu de maneira premeditada: "Estava muito claro que se a gente conseguisse a vitória, iria ter esse vandalismo. Temos que parar de falar que isso é Libertadores, porque não é, isso é MMA, é outra coisa".
 
Vai comentar? Leia e respeite nossas regras
 
Para comentar usando o plugin do Facebook clique aqui
 
 
comments powered by Disqus
 
Os comentários feitos neste espaço não representam a opinião do Palmeiras Todo Dia. A responsabilidade sobre eles são de seus respectivos autores.
Palmeiras Todo Dia | O Site Oficial do Torcedor Palmeirense!
 
Palmeiras Todo Dia - O Site Oficial do Torcedor Palmeirense!